Recomendação do Recanto




"Não subestime o desprezo absoluto das pessoas. Tornar-se um pária não é fácil. As pessoas acreditam que o diabo é Satan. Ignoram que o mundo é muito mais antigo que o cristianismo. Tudo para essas pessoas ignorantes é coisa do “diabo”. E julgam, recriminam e segregam. Ainda que isso seja um pecado diante de Deus. Porém, estranhamente é exatamente esse comportamento hipócrita e preconceituoso que a Igreja incentiva. É tudo tão absurdo. E afinal o que são os pecados? É uma maneira de controle do ser humano, de condená-lo, de inserir culpa pelos seus desejos naturais, de submetê-lo, de castrar seus pensamentos. É tudo tão ridículo."

Entre em contato!



Dúvidas? Opiniões? Ofensas pessoais? Gostaria de trabalhar conosco ou colaborar com suas produções?

Entre em contato!

recanto_do_opositor@hotmail.com

Firefox



Firefox

Satan usa Firefox. Todo o Inferno usa Firefox. Aceite-o como seu único navegador.

Satanismo em Prática - Indulgência ou como se livrar de seus pecados

Escrito por Tadeo

Observo que falsos satanistas e pessoas sem entendimento em nossa religião confundem de forma perdoável o significado da indulgência satânica, primeiro por outras conotações mais antigas usadas em outras religiões mais ortodoxas e segundo pela própria imaturidade da pessoa que a interpreta.

Para falar da indulgência satanista, tenho que entrar em um assunto que não gosto muito, primeiro pela polêmica que causada por ele e segundo por medo de que a imagem do blog torne-se anti-cristã, mitologia cristianita, mais precisamente católica.

Na igreja romana a indulgência não é, como muitos acham que são, o perdão de um pecado prévio. E sim a reparação de um pecado já perdoado por algum sacramento. A indulgência é uma forma de evitar uma suposta pena temporal. E vejamos só ... Qual é a forma mais cômoda de praticar uma indulgência? Caridade. Mas o que é caridade mesmo? Doar quantias para templos e simbolizar o seu desapego aos seus bens materiais? É, era assim mesmo. Basicamente doavam-se quantias em ouro para garantir o seu lugarzinho no céu, escândalos de séculos passados, que como todos sabem culminaram em uma reforma protestante.

O termo caiu em desuso. Hoje uma indulgência em um templo romano é ler a bíblia ou orar um rosário. Mas Lavey o trouxe de volta de maneira genial, aproveitando a má-fama da palavra e criando quase que um novo significado para a mesma. Nasceu aí a indulgência de satanás.

Primeiro, uma breve comparação com com o termo original e a nossa prática. A reparação de um pecado já cometido e já perdoado. Acredito que os leitores já estejam familiarizados com os pecados satânicas e senão já vejo um tema para um post futuro, mas o que importa é: você é seu salvador, você pecou, você se perdoou. Mas como reparar os danos causados a si mesmo e a outros pelo seu próprio erro? Depois de todas as providências físicas tomadas, o vulgo "correr atrás do prejuízo", ainda pode haver uma carga mental e emocional que o atrapalhe no momento ou até mesmo no dia-a-dia. É aí que o satanismo aflora, ao invés de orações e cultos, como pregam as religiões da mesa branca, o satanista faz um culto especial: um culto a si mesmo. Ao invés de agradar divindades, o satanista deve agradar-se a si próprio. E isso é uma tarefa muito pessoal, um fumante pode ascender um cigarro depois de um momento de tensão, como pode também consumir algum tipo de pornografia para se aliviar. O importante é reparar o mau causado a si, transcender pela carne, tornar o prazer carnal uma ferramenta ritualística de alivio de tensão e reparação.

Segundo, o risco de cair no vício. Existem poucas coisas mais perigosas para um satanista do que um vício. Pois, como lavey deixou claro em sua bíblia, o vício implica na falta de escolha. Na compulsão. Se uma de suas necessidades animais não estiver sendo saciadas, é natural do homem projetar a carga mental negativa para alguma área específica. E daí nasce o vício, a compulsão. Repare como um viciado em sexo, um ninfomaníaco, fala de seus atos sexuais com extrema vergonha, da mesma maneira que um viciado em drogas tem vergonha de admitir que usa substancias químicas para alterar sua percepção. O que é isso? Auto-repressão. Os grilhões culturais impostos a nós desde que somos crianças ainda podem nos prender, o senso religioso comum diz: "Sexo é pecaminoso", a mídia diz: "Usar drogas é errado". E quando um homem comum começa a se culpar por seus próprios pecados pessoais e/ou é exposto a uma grande tensão diária, redireciona tudo isso para uma zona animal primária, mesmo que seu "eu" consciente julgue que o que ele está fazendo é errado.

Um satanista pode se viciar tanto quimica quanto psicologicamente, e isso quer dizer duas coisas, ou ele pode ainda julgar o que faz errado ou alguma de suas necessidades animais não esta sendo saciada. E no satanismo, que é a religião do "eu", estar preso fisicamente pode ser tão perigoso quanto estar preso espiritualmente.

Terceiro e último, o cuidado. Nós não podemos pedir que nossa religião seja entendida e aceita. Como não podemos pedir que nossas práticas pessoais sejam entendidas e aceitas. Você pode consumir pornografia sem culpa no banco de uma praça, mas não espere que alguém ao seu lado ache isso normal e não fique surpreso se sofrer represálias por isso. Se algo que lhe agrade foge do senso comum, por que não fazer isso em casa, entre quatro paredes e em seu santuário pessoal? Por que não se esconder nas sombras, como o próprio diabo faz?

O motivo prático é preservar-se, você não pode ser seu algoz, e sim seu salvador. E o motivo ideológico é não manchar mais o nosso nome, como já é tão manchado por falsos praticantes e falsas idéias.

Desculpem pela frequência de posts. Sou preguiçoso e com orgulho.
Espero ler comentários.
Abraços não tão fraternos.

2 Comments

  • gravatar
    Comment by renanreis

    Excelente post, um dos melhores se posso dizer.

    Concordo plenamente com tudo, eu mesmo quando faço algo que não deveria e fico preso naquele sentimento de cula me desvio deste sentimento fazendo algo de bom pra mim (e vc já imagina oq rsrsr). Mas também não poderia me esquecer que reparar o dano não é só melhorar o meu estado psicológico, mas também restaurar o dano provocado no outro, afinal, quase todos os "pecados" são danos feitos a um terceiro. Afinal de contas, posso fazer tudo o que bem entender, desde que seja no meu quadrado e que não me prejudique.

    Abs

  • gravatar
    Comment by Anônimo

    Belo texto. Utilizei-o como fonte para uma postagem num debate do orkut em relação ao Satanismo.

    - C. H. Oliver.