Recomendação do Recanto




"Não subestime o desprezo absoluto das pessoas. Tornar-se um pária não é fácil. As pessoas acreditam que o diabo é Satan. Ignoram que o mundo é muito mais antigo que o cristianismo. Tudo para essas pessoas ignorantes é coisa do “diabo”. E julgam, recriminam e segregam. Ainda que isso seja um pecado diante de Deus. Porém, estranhamente é exatamente esse comportamento hipócrita e preconceituoso que a Igreja incentiva. É tudo tão absurdo. E afinal o que são os pecados? É uma maneira de controle do ser humano, de condená-lo, de inserir culpa pelos seus desejos naturais, de submetê-lo, de castrar seus pensamentos. É tudo tão ridículo."

Entre em contato!



Dúvidas? Opiniões? Ofensas pessoais? Gostaria de trabalhar conosco ou colaborar com suas produções?

Entre em contato!

recanto_do_opositor@hotmail.com

Firefox



Firefox

Satan usa Firefox. Todo o Inferno usa Firefox. Aceite-o como seu único navegador.

Horóscopo e Magia Manipulativa

Escrito por Recanto do Opositor

Sempre fui daqueles que nunca perderam tempo lendo a seção de horóscopo em jornais ou revistas. Previsão de futuro para mim, desde pequeno, sempre foi algo muito difícil de ser feito e nunca me despertava a atenção. Entretanto, também desde muito cedo, tive acesso a alguns textos e livros que falavam não de como seria meu dia astral, mas sim das características gerais das pessoas de cada signo. Como não estava habituado na época a ler Nietzsches e Schopenhauers, aquilo muito me atraia...

O tempo passou e quando comecei a "formar" a minha personalidade comecei a perceber que muitas das características de meu signo coincidiam exatamente com o que eu era. Definitivamente eu não sei se, de alguma forma, ter conhecimento de tudo aquilo influenciou meus pensamentos e minha forma de agir. Independente disto, o fato é que se eu pegar qualquer textinho bobo de internet sobre astrologia e ver o que é dito sobre meu signo, tudo vai bater exatamente.

Com o Satanismo veio então o ceticismo e meu espírito crítico já era capaz de questionar este "determinismo astral". Como poderia o simples dia de meu nascimento moldar o que eu viria a ser? Até hoje não entendo isto muito bem... Nem ainda desprendi tempo suficiente para tentar entender a questão. O fato é que, mais que simplesmente "ditar" qualidades minhas, os signos do zodíaco também começaram a fazê-lo com outras pessoas. Ou seja, a coincidência não era somente comigo...

Definitivamente nunca que vou dizer que a partir dos signos teremos uma equação matemática para podermos dizer tudo ou quase tudo sobre as pessoas. Mas que algo dá para ser dito, isto dá. Nada, naturalmente, substituíra a experiência de uma interação pessoal, porém, nós bem que podemos entrar nesta já sabendo de algumas coisas. E isto faz toda a diferença.

E é aí que surge a ponte com o Satanismo. Como se sabe, nossa tão querida magia manipulativa diz respeito a meios de se "alterar eventos" de modo a satisfazer nossas vontades. Algo como não estar no lugar certo e na hora certa, mas sim saber quais são os lugares certos e ir para lá sabendo quando. E quando se trata de relacionar-se com outras pessoas, seja qual for o tipo de relação, profissional, amorosa, etc., é extremamente válido saber com quem está lidando. E claro, teremos então com a nossa querida astrologia um grande artifício. Pode ser extremamente proveitoso descobrir qual o signo daquela de seu chefe ou de seu mais novo affair para saber, antes de conhecê-lo a fundo, o que poderia agradá-lo e quais são num geral sua forma de pensar e agir. Como dizia um tal sábio, a primeira impressão é a que fica, e se você puder surpreender a pessoa fazendo exatamente aquilo que ela espera, com certeza será de muito bom grado. Melhor ainda se depois disso você ainda disser: "sabia que você ia gostar, percebi em pequenas ações que você é assim". Ela vai adorar. Tenha certeza. E mal saberá ela que você simplesmente perdeu alguns minutinhos lendo algum texto de internet sobre seu signo... Claro, as coisas não são assim tão feias, não se trata de egoísmo exacerbado, como se podia se pensar. Mas ora, se você procura fazer o melhor, acaba por agradar tanto a si mesmo, quanto ao próximo, e assim é que deve ser.

Portanto, fica aí a dica. Quando conhecer alguém e quiser sair bem na fita, não custa nada um breve estudo sobre o signo daquela pessoa. Você pode até não agradar tanto quanto espera, como já disse, astrologia não é ciência. Mas, o que tem a perder com alguns momentos de leitura? Não custa nada e você ainda pode colher bons frutos de buscar anteriormente à experienciação determinados conhecimentos.

4 Comments

  • gravatar
    Comment by William

    A um tempo atrás eu fiz um trabalho sobre linguagem e interpretação, neste confeccionei impressos com a descrição de cada um dos sígnos, porém sem uma legenda especificando de quais se tratava. Ao realizar a enquete dentro da sala de aula perguntei o signo de meus colegas e lhes entreguei um destes impressos que não condiziam com seu signo. Depois de lerem e concordarem que as descrições batiam com sua personalidade, revelei então a troca de papéis... Interessante eu diria.

  • gravatar
    Comment by Vítor Vieira

    Como disse, não se trata de ciência. Mas não custa nada tentar... Boa parte das pessoas com quem me relacionei ao longo de minha vida possuíam personalidade que coincidia exatamente com a das previstas pelos seus signos...

    O contrário, não só pode como ocorre, óbvio. Mas não custa nada tentar...!

  • gravatar
    Comment by Ygor

    Quando se usa linguagem vaga, muitas pessoas vão se identificar.
    Nostradamus que o diga.

  • gravatar
    Comment by Vítor Vieira

    Não penso que boa parte da literatura referente à astrologia e ao estudos dos signos utilizem de linguagem vaga, muito pelo contrário, há diferenças gritantes entre as personalidades de cada signo.

    Repare que, em momento algum eu pretendo atestar a veracidade ou dizer que trata-se de um método infalível para prever características das pessoas. Digo apenas que por minha experiência pude perceber que muito do que se diz acaba por coincidir com a realidade, e que isto, pode servir de alguma forma como auxílio no que diz respeito às interações com outras pessoas.