Recomendação do Recanto




"Não subestime o desprezo absoluto das pessoas. Tornar-se um pária não é fácil. As pessoas acreditam que o diabo é Satan. Ignoram que o mundo é muito mais antigo que o cristianismo. Tudo para essas pessoas ignorantes é coisa do “diabo”. E julgam, recriminam e segregam. Ainda que isso seja um pecado diante de Deus. Porém, estranhamente é exatamente esse comportamento hipócrita e preconceituoso que a Igreja incentiva. É tudo tão absurdo. E afinal o que são os pecados? É uma maneira de controle do ser humano, de condená-lo, de inserir culpa pelos seus desejos naturais, de submetê-lo, de castrar seus pensamentos. É tudo tão ridículo."

Entre em contato!



Dúvidas? Opiniões? Ofensas pessoais? Gostaria de trabalhar conosco ou colaborar com suas produções?

Entre em contato!

recanto_do_opositor@hotmail.com

Firefox



Firefox

Satan usa Firefox. Todo o Inferno usa Firefox. Aceite-o como seu único navegador.

Crucifixos, é hora de dar tchau

Escrito por Recanto do Opositor

É com muita satisfação que pude acompanhar, tanto na televisão quanto em texto pela internet, que a Corte de Direitos Humanos lá da Europa determinou que fossem retirados das escolas italianas os crucifixos presentes nas salas de aula. Trata-se de uma demonstração de grande importância para aqueles que desejam ver enfim um Estado de fato laico.

Naturalmente, a decisão gerou revolta. Muitos alegam que se trata de uma parte da história da itália, que muitas pessoas não necessariamente são obrigadas a seguirem o catolicismo, enfim, todo o bla bla bla religioso que simplesmente não admite que a religião se limite a si mesma, sem ter que ficar fazendo propaganda em todo e qualquer local. E pior, estamos falando de escolas, ambiente no qual se dá a formação do indivíduo. Se há várias matérias na grade curricular e pode o aluno ao longo de seu percurso acadêmico, optar pela área de seu interesse, por qual motivo não o poderia fazê-lo com relação à religião?

Além do mais, por um acaso as outras religiões possuem o mesmo espaço de "exposição". Não moro e não estudo lá, mas tenho certeza que não.

Já se passou da hora de compreender que religião não se discute, vende, oferece, muito menos se impõe. Busca seus conhecimentos quem quer, e se quiser. Debate religioso não leva ninguém a lugar nenhum, a não ser egos inflamados e retórica vazia. O verdadeiro caminho para a escolha religiosa se dá por 2 vias, uma de entrada e outra de saída. A de saída diz respeito às publicações e difusão dos pressupostos de cada religião, através de meios próprios de comunicação, que não ultrapassem os limites da liberdade individual, nem se imponham coletivamente, tal qual este humilde blog, por exemplo; e a outra, de entrada, que diz respeito à busca individual pelo sistema escolhido, mediante reflexão e conseguinte aceitação, ou não.

Espero que este fato acarrete outras mudanças no pensamento religioso e sua relação com o Estado e suas instituições. Quem sabe daqui a alguns anos nossos filhos não sejam obrigados a se depararem com crucifixo nos tribunais, ou a estudarem ensino religioso na escola.

E para quem se interessa pela questão, não deixe de conferir a última edição da Infernus que trata de educação e religião, e que, por sinal, conta com um texto de minha autoria.

2 Comments

  • gravatar
    Comment by Elijah Keat

    Passa-se o mesmo em Portugal. Já não é a primeira vez que rebenta a polémica, e da primeira o Governo não levou a retirada dos crucifixos avante.

    Mais uma vez argumenta-se que há medidas mais urgentes, e atiram-se aquelas fáceis de resolver para o fundo da lista. Como também não se conseguem resolver as mais difíceis, fica tudo por fazer.

  • gravatar
    Comment by Madame Morte

    Retira-se os cruxifixos na Itália, proíbe-se as burkas na França...e no fundo, em nenhum lugar haverá liberdade real se todos não forem iguais.Mas creio que é a diferença que nos faz tão iguais, são os conflitos que trazem soluções(que nunca agradam à todos...mas o mais forte sempre prevalece.Seja por motivos monetários, intelectuais ou simplesmente força bruta).